A Verdade é Fundamental, Presidenta Dilma!

O Presidente Luiz Inácio não sabe, mas me fez um grande favor. Na realidade, dois: um deles foi escancarar que o PT não mais se prestaria a propor uma verdadeira transformação na realidade do nosso país e do mundo. Há uma opção política, e eu a respeito, pela defesa e construção de uma linha política social-democrata. Mas enfim… pauta para outra postagem.

O segundo deles foi mostrar que priorizar a disputa eleitoral, sem um forte trabalho de base com aumentos significativos da consciência de classe da população, é inútil. 

Pois bem. Desde que declaramos apoio a Dilma no Segundo Turno das eleições presidenciais ou quando postei sobre as perspectivas do governo recém-eleito, já não nutria esperanças em um governo que avançasse. Muito pelo contrário, já imaginava que seria um governo refém do PMDB e setores fortes do capital internacional e nacional. 
Mas vamos lá, sem muitas tergiversações, como diria o jornalista José Teles…

O fato é que esperava, minimamente, duas ações de impacto por parte do governo da Presidenta Dilma. O primeiro deles seria um verdadeiro freio neste direito de mentir e manipular do qual usufruem os meios de comunicação da grande mídia burguesa aqui por estas terras. Mas desde algumas situações, como discursar no aniversário da Folha, bater papo descontraído com Ana Maria Braga e ir fritar uma omelete no SuperPop de Luciana Gimenez, duvido muito que alguma coisa mudará nesta área. Espero estar errado, mas não há indício algum.
O outro dava conta da criação da Comissão da Verdade em nosso país. E é exatamente esta que parece seguir ralo abaixo da história. A nova ministra das Relações Institucionais, a Ideli Salvatti, anunciou que a Presidente Dilma recuaria, retirando o caráter de urgência do projeto (já aprovado na Câmara e agora aguardando no Senado) que acabaria com o sigilo eterno de documento oficiais classificados como ultrassecretos. Há quem diga que o fez a pedido dos senadores José Sarney e Fernando Collor.

Não interessa quem a fez recuar nesta questão. Mas sei que representa um grande retrocesso na luta em busca da Verdade em nosso país. Um verdadeira punhalada nas costas na história de nosso país que precisa conhecer o seu passado para melhor construir o futuro. Medida extremamente infeliz.

Enquanto isso, nossos militantes continuam a ser brutalmente assassinados. Leia mais em: A CPT anunciou o 6º assassinato no Pará

E qual foi a reação do governo Dilma? Criar uma comissão coordenada pelo grande ativista e vice-presidente, Michel Temer do PMDB, para apurar e tomar providências. Não fosse muito trágico e triste, seria uma grande piada.

Será tudo isso ainda ressaca pós-Palocci? Não sei. Mas os sinais que este governo anda emitindo não são nada animadores

Direito Humanos em Debate na UNIVASF

Texto de Luís Osete

Com as presenças de representantes do governo e movimentos sociais, será debatido a partir das 18h de terça-feira (7), no auditório da biblioteca da Univasf, Campus Petrolina, o relatório da Comissão Especial “Atingidos por Barragens”, aprovado pelo Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CDDPH). O relatório possui mais de 600 páginas que comprovam a violação sistemática de pelo menos 16 direitos humanos em populações atingidas por barragens de todas as regiões do Brasil. 
 
“No relatório, são apresentados sete casos que exemplificam a situação vivida em nosso país. Para a divulgação na Univasf a gente vai contar com depoimentos de atingidos pelas barragens de Sobradinho (1978) e Itaparica (1988), além de ameaçados pelos projetos de Riacho Seco e Pedra Branca”, explica Marta Rodrigues, da Coordenação Regional do Movimento de Atingidos/as por Barragens (MAB). 
 
A Comissão Especial “Atingidos por Barragens”, em quatro anos de atuação, recebeu denúncia de violação de direitos em processos de planejamento, licenciamento, implantação e operação de 74 barragens. Foi reconhecido um padrão de violação, “cujas consequências acabam por acentuar as já graves desigualdades sociais, traduzindo-se em situações de miséria e desestruturação social, familiar e individual”, como afirma o relatório. 
 
A construção da Usina Hidrelétrica de Sobradinho, nos anos 70, é um dos casos mais exemplares de violação dos direitos humanos. Em seus 350 km de extensão estão submersas terras de sete municípios do Submédio São Francisco. 70 mil pessoas foram deslocadas, das quais 80% eram camponesas que viviam nas férteis planícies de aluvião. O Estado, sem consulta prévia às comunidades, interveio coercitivamente no espaço físico para a construção da barragem, reassentando as famílias em solos impróprios para o plantio. 
 
Com a privatização do setor elétrico nos anos 90, a situação dos atingidos por barragens tornou-se ainda mais difícil. “As empresas passaram a negar todos os avanços conquistados no período estatal e as práticas ditatoriais voltaram com toda força, agora praticadas pelas empresas privadas e com respaldo da maioria dos governos e do Estado brasileiro”, ressalta a Coordenação Nacional do MAB. 
 

O relatório confirma as denúncias que o MAB vêm fazendo há 20 anos, motivadas pela ausência de uma política nacional que reconheça e garanta os direitos das populações atingidas e pela precariedade e insuficiência dos estudos ambientais realizados pelos governos federal e estaduais, além da caracterização restritiva e limitada do conceito de atingidos por barragens aceitados pelas empresas. A recomendação é que sejam adotadas mais de 100 medidas para garantir e preservar os direitos humanos dos atingidos por barragens, evitando novas violações. 
  
Serviço

O que?
Apresentação do relatório sobre violação dos direitos humanos na construção de barragens
Quando?
Terça-feira, dia 7 de junho de 2011.
Onde?
Auditório da biblioteca da Univasf, Campus Petrolina.
Quem realiza?

Movimento de Atingidos/as por Barragens (MAB).


Maiores informações:

Marta Rodrigues –             74-9147-8282     


PROGRAMAÇÃO
7 de junho de 2011, das 18 às 21h:
v Composição da Mesa por Lideranças dos movimentos sociais, lideranças governamentais e instituições.
v  Mística de abertura.
v  Apresentação- Material que comprova Violação dos direitos humanos na construção de Barragens;
(Violação dos direitos humanos na construção da Barragem de Sobradinho);
v  Depoimentos:   
ü  Atingido pela Barragem de Sobradinho;
ü  Atingido pela Barragem de Itaparica;
ü  Ameaçado por Riacho Seco e Pedra Branca;
v  Fala política das lideranças presentes na mesa.
v  Encerramento.